Na sua região: Ashburn - Virginia temos (℃) Umid(%) Veloc.Vento(m/s °) | Sol: nasc 21:00h e pôr 21:00h | 18/11/2017 06:02
Utilize a busca abaixo para encontrar uma empresa pelo nome, setor ou produto.
Em todo o País, Aguarde, carregando...
    Ex.: coaching, ou transporte, ou madeira, ou aço, ou o nome da empresa como: Mais Sucesso e Genoma, ou mesmo o nome do profissional como Cristiane.

Prêmio Sebrae Mulher de Negócios reconhece as melhores empreendedoras na etapa nacional


Postado em 13/11/2017

Sebrae Nacional -

O Prêmio Sebrae Mulher de Negócios, etapa nacional, foi entregue nesta segunda-feira (13/10), em reconhecimento às melhores histórias inspiradoras de mulheres que empreendem em todo o país. Foram, ao todo, mais de 3600 inscritas, que enviaram relatos de sucesso à frente de pequenos negócios. Dessas, foram selecionadas as finalistas de cada estado, que concorreram à etapa do final do prêmio, divididas nas categorias produtora rural, microempreendedora individual (MEI) e pequeno negócio.

A diretora de Gestão e Solução do Sebrae no DF, Cassiana Abritta, abriu o evento lembrando a missão da instituição em promover o empoderamento feminino e, consequentemente, o desenvolvimento econômico e a geração de empregos. “Nós já tivemos grandes conquistas, mas sabemos que ainda há muitos desafios pela frente. Cada finalista que está aqui hoje já é uma vencedora e inspira tantas outras mulheres a buscarem ser, também, protagonistas de suas próprias histórias”, afirma.

O evento foi realizado dentro da programação da XXIX Convenção da Federação das Associações de Mulheres de Negócios e Profissionais do Brasil (CONFAM), promovida pela BPW Brasília para a discussão do papel da mulher na transformação do mundo. Segundo a presidente da BPW Brasil, Eunice Cruz, o reconhecimento do Prêmio Sebrae Mulher de Negócios é resultado de muito esforço de cada finalista. “Imagino quantas lágrimas, lutas e desafios essas mulheres tiveram que enfrentar. Elas venceram batalhas dentro de suas famílias, comunidades e com a concorrência. Hoje estão aqui para servir de inspiração para que outras também sigam o mesmo caminho”, destacou.

A gerente de projetos da ONU Mulheres Brasil, Ana Carolina Querino, lembrou que empreender é direito de toda mulher e que o mundo perde muito ao não incluí-la nas atividades econômicas. Ela destaca que, caso houvesse igualdade de gênero no mercado, até 2025, haveria um aumento de 28 trilhões de dólares no PIB global. “Reconhecer as histórias por meio desse prêmio é uma maneira de difundir mais as conquistas maravilhosas que as nossas mulheres empreendedoras estão realizando”, explica.

A diretora técnica do Sebrae no Mato Grosso do Sul, Maristela França, comandou um talkshow com a presença de finalistas do prêmio em edições passadas. Os principais assuntos abordados foram superação de desafios, profissionalização da mulher empreendedora e acesso ao mercado. “Os homens precisam entender que as mulheres não estão tentando roubar o lugar deles. Estamos ocupando um lugar que o mundo está pedindo, em decorrência de uma crise humana e de princípios”, pondera.

O DF foi representado no evento, na categoria MEI, pela empreendedora Luiza Galvão, da Brauny’s Doce Sabor. Para ela, a parceria com o Sebrae no DF é a certeza de que está no caminho certo. “O prêmio vem corroborar o que muito esforço e dedicação têm trazido para o meu empreendimento. A perspectiva agora é só de crescimento, profissionalização e muito sucesso”.

Na categoria pequeno negócio, a finalista no DF foi a Bolos da Vovó, representada pela empreendedora Marisperc de Souza Lima. “Ganhar a etapa regional e ser representante aqui hoje no nacional é a consagração que vem de um trabalho desenvolvido com muita organização, planejamento e foco nos objetivos. A parceria do Sebrae no DF me deu a certeza de que nós, mulheres, juntas somos mais fortes”.

O presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae no DF, Luís Afonso Bermúdez, entregou o troféu de melhor pequeno negócio à vencedora na categoria prata. Ele lembrou que a premiação só é possível, também, graças ao esforço de todos os colaboradores do Sistema Sebrae. “São esses profissionais os responsáveis em dar todo apoio às micro e pequenas empreendedoras de todo o país, para que possam crescer e, agora, receber essa homenagem”.

A baiana Maria Aparecida Damasceno, da Pousada Pedra Torta, foi a grande vencedora como melhor pequeno negócio, categoria ouro e dedicou o prêmio ao marido. “Costumam dizer que por trás de todo grande homem existe uma grande mulher. Mas hoje é o contrário, eu digo que sou uma vencedora porque ele me deu todo o apoio”, declarou.

Confira a lista completa das vencedoras da etapa nacional:

Categoria: Pequenos Negócios

Ouro

Empreendedora: Maria Aparecida Damasceno Aguilar

Empresa: Pousada Pedra Torta

UF: Bahia

 

Prata

Empreendedora: Adriana Helena Araujo Fernandes

Empresa: Mandala Comidas Especiais

UF: São Paulo

 

Bronze

Empreendedora: Francielli Scharnovski Gonçalves

Empresa: Eu magro|Programa Personlaizado

UF: Paraná

 

Categoria: Microempreendedora Individual

Ouro

Empreendedora: Ana Cristina da Silva Mendes Huber

Empresa: Huber Assessoria Esportiva

UF:  Santa Catarina

 

Prata

Empreendedora: Zenaide Alves dos Santos

Empresa: Zenaide Curso de Corte e Costura

UF: Espírito Santo

 

Bronze

Empreendedora: Jordana Kelly Donizetti

Empresa: Manifesto Pin up

UF: São Paulo

 

Categoria: Produtora Rural

Ouro

Empreendedora:  Elizabeth Costa Sousa Santos

Empresa:  Fazenda W.A.

UF: Tocantins

 

Prata

Empreendedora: Marisa Helena Souza Contreras

Empresa: Fazenda Capoeira Coffee

UF: Minas Gerais

 

Bronze

Empreendedora: Marcilene Lusia Barbosa

Empresa: Artesanato Marcilene

UF: Piauí

 

Mais Informações:

Assessoria de Imprensa Sebrae

(61) 3348-7754/7570

imprensa@sebrae.com.br

Para empreendedores:

Central de Relacionamento Sebrae

0800 570 0800

 

 

 

 

 

 

 


Presidente do Sebrae defende na Câmara Refis para pequenos negócios


Postado em 09/11/2017

Sebrae Nacional -

Presidente do Sebrae, Guilherme Afif e o presidente da Cmara, Rodrigo Maia

Brasília - O presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos,  esteve reunido com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, nesta quarta-feira (08), para pedir que seja votado o pedido de urgência para o Projeto de Lei Complementar (PLP) 341/2017, que atualiza a Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas. A ideia é incluir na proposta um programa de refinanciamento de dívidas tributárias para as micro e pequenas empresas com os mesmos benefícios que foram dados para as grandes empresas em recente Medida Provisória editada pelo Governo e aprovada pelo Congresso Nacional.
 
“As empresas se endividaram pela crise. Nosso foco é que as micro e pequenas empresas tenham os mesmos direitos. O novo Refis (das grandes empresas) deu um tratamento diferenciado às avessas”, destacou o presidente do Sebrae.  Afif lembra que o PLP 341 ainda irá prever a criação das Empresas Simples de Crédito (ESC), que poderão emprestar dinheiro para os pequenos negócios de sua cidade, e de um cadastro positivo das empresas que estão em dia com os impostos, para conceder benefícios àquelas que precisam solicitar empréstimos.
 
O deputado Jorginho Mello (PR/SC), que acompanhou Afif no encontro com Rodrigo Maia, disse que a ideia é reduzir o conteúdo do PLP 341 para que ele seja aprovado com celeridade e por unanimidade pelo Plenário da Câmara dos Deputados. “Vamos desidratar a proposta que já está em tramitação. Vamos ajudar os pequenos. Temos que fazer justiça com esse segmento”.


Mais informações:
Assessoria de Imprensa Sebrae
(61) 2107-9117/9118
imprensa@sebrae.com.br

Para empreendedores
Central de Relacionamento Sebrae
0800 570 0800

 


Empresa sergipana de açaí abre negócios em Portugal


Postado em 17/11/2017

Sebrae Nacional -

Miriam Augusta Ferreira

Para a empreendedora Míriam Augusta Ferreira, o sonho de ampliar os negócios e de ultrapassar as fronteiras do mercado nacional vêm se tornando realidade. A empresária, que comanda o Grupo Açaí Aju, em Aracaju (SE), resolveu levar a cultura do açaí para terras portuguesas, com o auxílio do Programa Portugal 2020. O programa oferece uma série de benefícios por meio da concessão de incentivos para empresários que planejam se instalar no país europeu.

 

Segundo Mirian, a ideia de explorar para o mercado internacional já não era novidade. Desde que conheceu o PP2020, a empresária enxergou a oportunidade de concretizar seus planos. Em Sergipe, o programa foi apresentado em evento promovido pelo Sebrae, em parceria com a Associação Comercial de Sergipe (Acese) e a Câmara Brasil Portugal, em julho de 2017.

 

A meta do Açaí Aju é criar uma indústria de processamento de açaí com fórmula própria, comportado em potes e barras, voltados para distribuidores, além de fundar mais duas lojas para o consumidor final, gerando 15 empregos diretos, com mão-de-obra local. Em recente viagem à Europa, a empresária lançou as duas lojas, nas regiões do Algarve e Porto, com o acompanhamento do Sebrae.

 

“O Açaí é um produto que ainda não tem muita força na Europa. A abertura das duas lojas nos dá mais segurança e respaldo para a abertura da indústria, além de ser um ponto positivo que pode ser considerado na avaliação do Programa Portugal 2020. Acredito que essa seja uma boa oportunidade para fazer negócio e incentivar a cultura do açaí em Portugal e nos outros países”, explica a empresária.

 

Um dos requisitos para o apoio do PP2020 às empresas é a internacionalização do produto no final, não se limitando ao mercado português. Nesse sentido, até o segundo ano de abertura do negócio, o produto poderá ser comercializado em países como a Espanha, França e em territórios da África e Ásia.

 

Para Emanoel Sobral, superintendente do Sebrae em Sergipe, o caso do Açaí Aju é um bom exemplo de empreendedores que aproveitaram a oportunidade para expandir os negócios e começaram a atuar em outros Países, continentes. “É importante que as micro e pequenas empresas possam explorar o mercado internacional, não somente exportando produtos e serviços, mas também levando seus negócios além das fronteiras do país e conquistando novas oportunidades comerciais”, explica.

 

Tradição do Açaí

Há 20 anos no mercado sergipano, o Açaí Aju começou numa época em que o produto não era tão popular quanto nos dias de hoje. Miriam conta que sua mãe, Dona Augusta, foi pioneira na popularização do açaí em Sergipe, cuja origem vem da região amazônica. Ela criou o Açaí da Tia Augusta, que logo se consolidou e envolveu toda a família neste segmento.

 

“Há uns seis anos vimos a necessidade de mudar o nome da empresa e hoje somos o grupo Açaí Aju. A nossa proposta é sempre manter um produto de qualidade. Isso nos traz muito orgulho e não podemos deixar para trás. Mesmo com novos caminhos e investimentos, ainda manteremos nossas atividades em Sergipe”, afirma a empresária.

 

O universitário Rwan Pablo e sua esposa, a comerciante Ingrid Figueiredo, são consumidores assíduos do açaí e apostam no sucesso do produto fora do Brasil. “A gente toma açaí ao menos quatro dias da semana. Se o produto for levado com a qualidade que tem hoje, tenho certeza que dará certo em qualquer lugar”, acredita Rwan.

 

Portugal 2020

Portugal tem a expectativa de, até 2020, receber 25 mil milhões de euros, cujo investimento será dividido entre 16 programas, para apoiar projetos inovadores de empresas de todo o mundo no território luso.

 

As empresas que se candidatam para ter acesso aos incentivos do PP2020 passam por diferentes etapas, que vão desde a análise e enquadramento da ideia ou projeto, até a assistência técnica à implementação dos projetos. Os resultados das propostas serão divulgados até abril de 2018.

 

O Programa, fruto de um Acordo de Parceria adotado entre Portugal e a Comissão Europeia, atua com o propósito de gerar, no período de 2014-2020, ações que estimulem a competitividade, internacionalização, inclusão social, emprego, capital humano, além de sustentabilidade e eficiência no uso de recursos.

 



Picciani, Melo e Albertassi deixam prisão, mas têm bens bloqueados pelo TRF2


Postado em 17/11/2017

A decisão da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) de mandar soltar os deputados Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi, tomada em votação no final da tarde desta sexta-feira (17), foi seguida por outra decisão do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2), de determinar o bloqueio de seus bens, no valor total de R$ 270,7 milhões.

Menos de duas horas depois da decisão da Alerj, em votação que contabilizou 39 votos a favor da revogação da prisão e 19 votos pela sua manutenção, Picciani e os outros dois já deixavam a prisão, por volta das 18h. A ordem de soltura foi enviada diretamente da Alerj para a Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, sem comunicar o TRF2.

Jorge Picciani teve bloqueados pela Justiça R$ 154.460.000,00. Paulo Melo, teve bloqueio de R$ 108.610.000,00. E Albertassi, bloqueio de R$ 7.680.000,00. A determinação foi do desembargador federal Abel Gomes.

Ele determinou o bloqueio cautelar de contas e o sequestro ou arresto de bens de 13 pessoas e 33 empresas investigadas na Operação Cadeia Velha, relacionadas aos três parlamentares. A medida foi requisitada pelo Ministério Público Federal (MPF). A ordem atinge ativos financeiros e bens móveis e imóveis, incluindo veículos, embarcações e aeronaves. As informações foram divulgadas pela assessoria do TRF2.

Abel Gomes escreveu em sua decisão que os valores referem-se ao supostamente pago a título de propina aos três deputados, colocando todos os demais investigados, incluindo pessoas físicas e jurídicas, “como agentes colaboradores e solidariamente responsáveis, seja pelo recebimento ou pela dissimulação/lavagem desse numerário”.


Reunião para criar Iniciativa Sul-Americana de Segurança será na Argentina


Postado em 17/11/2017

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, disse hoje (17) em Washington que a proposta brasileira de criar uma Iniciativa Sul-Americana de Segurança foi bem aceita por vizinhos do país, como Argentina, Colômbia e Uruguai. Segundo ele, a primeira reunião do grupo deve ocorrer no início do ano que vem, na Argentina. A decisão veio depois de uma reunião em Vancouver, no Canadá, com o ministro da Defesa do país, Oscar Raúl Aguad, na quarta-feira (15).

A Iniciativa poderia evoluir, segundo o ministro, para uma Autoridade Sul-Americana de Segurança, porém isso ocorreria posteriormente. “A velocidade com que ela vai acontecer vai depender da reunião, da disposição e da boa vontade. Por nós, poderíamos caminhar rapidamente, porque a necessidade é grande e é urgente”, disse Jungmann.

Na União de Nações Sul-Americanas (Unasul), há um Conselho de Defesa Sul-Americano, porém, segundo o ministro, as atribuições dos dois órgãos não coincidem, já que o conselho é voltado para questões de defesa, enquanto a iniciativa, tratará de temas de segurança nas fronteiras e crime transacional. “O CDS, que é o Conselho de Defesa Sul-Americana, cuida de aspectos de integração das Forças Armadas, de base industrial de defesa e também de uma identidade sul-americana em termos de defesa. A iniciativa, que, por enquanto, é uma ideia a ser desenvolvida, está mais voltada ao combate ao crime transacional, ou seja, às drogas, à questão do contrabando de armas, à questão do descaminho”, afirmou.

Minusca

Após participar de uma palestra sobre estratégia de defesa do Brasil no Centro para Estudos Internacionais e Estratégicos (CSIS) em Washington nesta sexta-feira, o ministro também falou sobre a possível participação do Brasil na Missão das Nações Unidas na República Centro-Africana (Minusca). Segundo ele, ainda não há previsão de quanto a missão deve custar e do tempo de duração, já que antes é necessário que a proposta seja enviada e aprovada pelo Congresso.

A expectativa, segundo ele, é que sejam enviados mil soldados entre homens e mulheres e que o Congresso aprove a participação do Brasil na missão. “Eu não consigo ver que não haja uma sensibilidade do Congresso para entender a importância para o Brasil e para os nossos compromissos com a estabilidade e a paz no mundo”, disse Jungmann. Antes de a proposta ser enviada ao Legislativo, a Organização das Nações Unidas (ONU) ainda deve fazer um convite formal ao Brasil.

Quanto à possibilidade de o país deter o comando da missão, o ministro disse que a decisão depende do Departamento de Operações de Paz das Nações Unidas, mas afirmou que comandar é do interesse do Brasil. “Temos experiência já demonstrada no terreno e reconhecida mundialmente em liderar operações de paz.”

Segundo o ministro, entre as vantagens de enviar tropas está a capacitação das Forças Armadas brasileiras. “É decisivo, porque é uma experiência no terreno, em situação real, que qualquer Força Armada precisa ter constantemente”, afirmou. Jungmann acrescentou que os militares do país estão capacitados para “lidar com situações críticas e de grande instabilidade”.


Cratera aberta em Petrópolis será fechada com 2,5 mil toneladas de pó de pedra


Postado em 17/11/2017

Cratera na BR-040 será preenchida com 2,5 mil toneladas de pó de pedra

Cratera na BR-040 será preenchida com 2,5 mil toneladas de pó de pedra Divulgação/Prefeitura de Petrópolis

A Secretaria de Defesa Civil de Petrópolis, na região serrana do Rio de Janeiro, acompanha o serviço de preenchimento da cratera aberta na BR-040 (Rio-Juiz de Fora), na altura do quilômetro 81, na Comunidade do Contorno. O reparo foi iniciado ontem (16) pela Concer, que administra a rodovia.

Ao todo, serão utilizados 2,5 mil toneladas de pó de pedra para estabilizar as paredes do buraco. O serviço deve terminar amanhã (18).

Os trabalhos de sondagem e de monitoramento, que vinham sendo realizados por uma empresa contratada pela Concer, serão retomados em outros trechos e obras na rodovia.

De acordo com o secretário de Defesa Civil de Petrópolis, Paulo Renato Vaz, técnicos da prefeitura analisam documentos enviados pela Concer, e a Defesa Civil “aguarda o relatório das frentes de avanço do túnel do desemboque até o último trecho escavado, além dos relatórios da Concer sobre as condições geológicas no desemboque”.

Vaz disse que recebeu da Concer 6.762 arquivos referentes à construção da Nova Subida da Serra, com a duplicação da pista, mas que faltam documentos mais específicos, fundamentais para a avaliação das causas que levaram à abertura da cratera. “Com base nesses documentos, mais o que estamos solicitando, além do resultado de estudos que vem sendo realizados no local, a Defesa Civil verificará que medidas devemos adotar”.